18 março 2015

Festa de Homenagem e Despedida a António «Costa»

António Casimiro Semião «Costa», nascido em Alcácer do Sal, em 30 de Julho de 1953, foi um dos melhores jogadores da sua geração. Para ele, o futebol sempre foi tudo.
O futebol sempre teve jogadores duros, polémicos e que nunca  deixavam de repreender os colegas e responder aos adversários. Muitos deles são jogadores medianos, outros são craques que podiam dizer o que quisessem, como é o caso do António Semião, ou simplesmente «Costa». Este central cheio de técnica, vigor, força de marcação, precisão no desarme, pontapé forte e muita liderança, dizia o que pensava e jogava tudo o que sabia. António «Costa» foi um dos grandes nomes do futebol regional na década de 80 e na primeira metade da década de 90, conquistando quase todos os títulos possíveis para um futebolista amador. Depois de esbanjar categoria no centro da defesa do A. C. Alcacerense e do  União Sport Club (Santiago do Cacém), ainda arriscou como avançado continuando exímio como sempre.
Basta consultar os arquivos, para sabermos que o António «Costa» sempre foi, na última década, um líder e o capitão ao serviço do Alcácer do Sal F.C. – Veteranos.
Mas é claro que a história do António «Costa» é muito maior do que a passagem pelos Veteranos de Alcácer do Sal.
Como sabemos uma das principais posições de uma equipa de futebol é a de defesa central, uma vez que ele comanda todo o sistema e posicionamento defensivo e é uma das principais referências da equipa. Ora o António «Costa», como um excelente defesa central, tinha muitas das qualidades essenciais do lugar. A velocidade: apesar de não ser grande e corpulento, tinha muita velocidade, para não ser ultrapassado pelos jogadores adversários; ótima qualidade de passe: sabia o que fazer com a bola depois de a recuperar do seu oponente; excelente posicionamento em campo: estava sempre no local certo à hora indicada; experiência: é sempre bom ter um defesa central que experiente conhece os “atalhos” do campo e, por isso, costuma levar grande vantagem sobre jogadores menos experientes em diversas situações de jogo; e por fim a um liderança: deve liderar os seus companheiros, dado que tem uma melhor visão sobre o campo quando comparado com a visão do mesmo de outros jogadores. Não é por acaso que era e será sempre um «capitão». 
E como o Alcácer do Sal F.C. – Veteranos  tinha um defesa central com todas estas virtudes e qualidades, nessa altura podia ser considerada uma equipa privilegiada, pois jogadores como o António «Costa» não são fáceis de encontrar. 
A carreira do António «Costa» construiu-se pela regularidade, independentemente da equipa em que jogava ou da qualidade do adversário. Em todos os clubes por onde passou,  nunca se deixou intimidar pelo nome do adversário. Se há equipas que preferem um sistema tático específico, António «Costa» também já demonstrou que tanto pode fazer a diferença a marcar ou a jogar mais solto. Deste modo, o seu valor individual era reconhecido por todos.
Conhecido pela sua forte personalidade e pelo bigode que usava, tinha uma enorme resistência física. António «Costa» é considerado, até hoje, como um dos poucos jogadores completos no futebol, em Alcácer do Sal. E demonstrando sempre um enorme amor à camisa, em todos os clubes que passou, tornava-se imediatamente um ídolo como jogador. 
E foram estas características que o aproximaram do futebol de veteranos: do Alcácer do Sal Futebol Clube – Veteranos.
E no momento da homenagem, José Miguel Guerreiro, responsável do Alcácer do Sal Futebol Clube – Veteranos, a quem coube, na festa de despedida, o elogio público do jogador, afirmou: “A figura de António «Costa», como defesa central disciplinador mas leal, começará a ganhar maior prestígio e só atingirá plena grandeza à medida que o tempo passar. E como sabem a sua falta, na posição que ocupa, é sensível e irremediável. António «Costa» deixa hoje o futebol e ensinou-me muito, mais até do que a minha mulher…!“
E retomando a palavra António «Costa», em jeito de brincadeira,  disse ”Que já sabia que tinha sido um «pai» para o José Guerreiro e que lhe tinha ensinado muito sobre futebol, mas que ele não tinha aprendido nada”. Já mais a sério afirmou que queria agradecer a todas as pessoas que o tornaram melhor jogador e melhor pessoa, à minha família, aos meus amigos e a todos aqueles que independentemente de eu estar num clube de maior ou menor dimensão, nunca se esqueceram do meu percurso no futebol.
Aproveito também para agradecer à União de Juntas, na pessoa do seu Presidente, o gesto muito simpático que teve, com a entrega da lembrança. Por último não poderia deixar de dar uma palavra de agradecimento muito especial à equipa do Alcácer do Sal Futebol Clube – Veteranos, por toda a atenção, consideração e amizade que sempre tiveram comigo. Um grande abraço para todos”.
Retomando a palavra, o responsável do Alcácer do Sal Futebol Clube – Veteranos agradeceu ainda ao Presidente da União das Freguesias de Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana, Arlindo Passos, a sua valiosa participação neste momento, que tem um imenso significado para o clube.
Esta homenagem foi seguramente um dia especial para este valoroso defesa, que teve como um dos pontos altos da sua carreira a vitória do Campeonato Distrital de Futebol de Setúbal, na época 1986-1987.
E a festa de homenagem continuou.
Com saudade, todos cumprimentaram o homenageado. Mais um brinde de ocasião. Mas a vida continua. E os familiares e amigos percebem, com toda a certeza, esta decisão de abandonar o futebol.
Obrigado António «Costa»: Obrigado pela tua liderança em campo!

Sem comentários: